DIFERENÇA ENTRE PERDA DE PESO E EMAGRECIMENTO:

A perda de peso pode envolver a diminuição de gordura, de massa muscular e de água. Já o
emagrecimento envolve a redução de gordura corporal.

CONSEQUÊNCIAS DE DIETAS RESTRITAS EM CARBOIDRATOS

Dietas restritas em carboidrato causam rápida perda de peso, já que há diminuição da densidade do
glicogênio muscular, e logo de água, visto que o armazenamento de ambos é altamente dependente. Esta
perda de peso não envolve necessariamente a perda de gordura.
A restrição do consumo de carboidratos compromete ainda o consumo de fibras, o qual impacta na
saciedade e na flora intestinal, que está envolvida com ações do SNC, imunidade, aparecimento de
doenças, entre outros.
A menor ingestão de frutas, vegetais, cereais integrais, tubérculos e outras fontes de carboidrato gera
também alterações na eficiência do metabolismo, devido a diminuição de vitaminas e minerais
proveniente destes alimentos.

DIETA CETOGÊNICA

Dieta difícil de ser elaborada pelo nutricionista, assim como de ser aplicada pelo paciente. Mesmo em
casos de epilepsia, onde ela é altamente indicada, há dificuldade na adesão podendo até mesmo
aumentar os sintomas de convulsão no indivíduo pela maior carga de estresse.
Quando se trata de atletas, evidências mostram que este tipo de estratégia não causa comprometimento
na performance, entretanto isto não tem sido sustentado na prática clínica.

JEJUM INTERMITENTE

Tem se mostrado relacionada a episódios de compulsão alimentar, além de uma confusão por parte do
paciente em relação ao que comer e quanto comer ao quebrar o jejum. É preciso garantir também que
toda a necessidade energética do indivíduo seja suprida durante o período alimentado.

UTILIZAÇÃO DE GORDURA NO PERÍODO PRÉ TREINO

Pode ser indicada dependendo do exercício. Indivíduos praticantes de musculação e crossfit não são
beneficiados com este macronutriente no pré treino devido a rápida demanda energética requerida por
estes exercícios, entretanto para um praticante de endurance poderia ter sua utilidade.
Durante exercícios de treinamento há redução de fluxo sanguíneo no trato gastrointestinal, o que poderia
gerar dificuldades de digestão e prejudicar a performance, e por conta disso em horários perto ao treino
uma estratégia interessante seria evitar fontes de fibras e gorduras e apostar em refeições líquidas como
shakes.

DIETA DO HCG

Além de não potencializar resultados a dieta do Hcg é restrita em 500kcal, sendo considerada altamente
agressiva e contraindicada.

DIETAS MUITO RESTRITAS EM CALORIAS

Potencializa um processo de termogênese adaptativa, facilitando uma estagnação do peso, que é um
mecanismo de proteção do corpo. Costuma causar perda de H2O e massa muscular, e não de gordura.

AERÓBIO EM JEJUM

Gera um estresse metabólico capaz de contribuir com a biogênese mitocondrial, o que favoreceria
adaptações ao indivíduo na volta do período de alimentação. Nestas condições exercícios de alta
intensidade não são indicados.
Na prática pessoas saudáveis não mostram tantos benefícios com esta estratégia e poderiam até mesmo
estar prejudicando seu gasto calórico desejado, já que não se consegue atingir um aumento na
intensidade do exercício e ainda há também uma maior percepção de esforço, seguido de uma
desmotivação por não conseguir dar o seu melhor naquela situação.

SUPLEMENTAÇÃO

Proteínas em pó, como o whey protein, não precisam estar necessariamente associados ao treino,
podendo ser utilizados também para fins de praticidade e variação da dieta, através de mingaus,
vitaminas, bowl com frutas, etc. A ingestão proteica durante o dia traz benefícios para saciedade,
manutenção de massa muscular e no gasto calórico do indivíduo.
Idosos também são beneficiados com a suplementação de proteínas, já que estes naturalmente sofrem
com uma queda de apetite, dificuldade de digestão e com um quadro de resistência anabólica. Seu uso
tem mostrado aumento na qualidade de vida neste público e até mesmo um emagrecimento.
O uso de creatina pode ser feito de forma crônica, não requerindo um washout. Seu excesso é excretado
pelo corpo na forma de creatinina através da uréia, e, portanto, na prática clínica esta não chegaria a
níveis de saturação, apesar de alguns estudos demonstrarem o contrário. A dosagem pode variar de 3 a
5g por dia ou na forma de saturação, através de 10g por 5 dias. Suplementação não está associada apenas
à hipertrofia, mas também à redução de doenças neurodegenerativas, sarcopenia em idosos, etc.
Uma dieta hiperproteica não há relação de causalidade com problemas nos rins, e sim uma associação.
Um dos sinais da insuficiência renal são níveis de creatinina acima do ideal, porém ao suplementar
creatina também temos esta alteração bioquímica, o que justifica esta confusão entre causa e efeito.

BICARBONATO DE SÓDIO

Suplemento eficiente e barato. Atua como tamponante, no meio extracelular, ajudando na redução da
percepção de fadiga. Deve-se ter cuidado com questões intestinais do indivíduo.

BETA ALANINA

Diferente do bicarbonato de sódio, atua no meio intrecelular, entretanto ambos funcionam bem em
sinergia. Adesão dos pacientes é mais difícil devido a forma de ingestão, que consiste em dosagens ao
longo do dia, e também por conta do efeito colateral, marcado principalmente pelo formigamento.

CAFEÍNA

Pode ser utilizada em forma de café ou em cápsula. Diminui percepção de esforço, melhora concentração,
entre outros benefícios. Deve-se atentar com o horário de utilização, para que não se comprometa o sono,
e assim, a recuperação do indivíduo.

TREINO E ANTIINFLAMATÓRIOS

Compostos antiinflamatórios, como ômega 3 e curcumina, quando suplementados próximo a um horário
do treino resistido podem interferir em seu resultado. Não há um intervalo de tempo correto definido,
mas na prática clínica estes costumam ser utilizados cerca de 4 horas antes ou depois do treino.

1 Comentário

Deixe um comentário